Rádio Metropolitana Manaus

Notícias

Roberto Cidade destaca Lei que protege vigilantes de constrangimentos durante exercício profissional

Roberto Cidade destaca Lei que protege vigilantes de constrangimentos durante exercício profissional

Dados da Associação Brasileira de Cursos e Aperfeiçoamento de Vigilantes (ABCFAV) indicam que, até maio deste ano, o Brasil possuía 787.814 pessoas aptas a exercerem a função de vigilante. E, neste dia dedicado aos profissionais da vigilância, o deputado estadual Roberto Cidade (UB), presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), reforça a Lei nº 6.381/2023, da qual é coautor, que proíbe o constrangimento ou embaraço a vigilantes que se encontrem no exercício de sua profissão. A Lei tem como primeiro autor, o deputado Delegado Péricles (PL), a deputada Débora Menezes (PL) e os deputados Comandante Dan (Podemos) e Thiago Abrahim (União Brasil) também assinam como coautores.

“O trabalho do vigilante é de enorme importância para o ordenamento social e a nós, legisladores, cabe criar os meios necessários para que essa atividade seja desempenhada da melhor forma possível. Neste mês mesmo vimos nos jornais, a agressão que um vigilante e um servidor público sofreram em um pronto-socorro estadual durante o turno de serviço. Isso é inadmissível e, com certeza, esta Lei já ampara esse profissional agredido. Ela tem teor punitivo, mas é sobretudo, pedagógica”, afirmou o deputado presidente.

De acordo com a Lei, fica proibido qualquer tipo de constrangimento ou embaraço a vigilantes que se encontrem no exercício de sua profissão, por meio de palavras, intimidação, ofensas, ameaças, comportamentos, palavras ou gestos. O desrespeito à Lei é passível de multa em valor não inferior a R$ 1 mil e não superior a R$ 10 mil.  Em casos de reincidência, o infrator sofrerá a penalidade em dobro.

Entende-se por constrangimento: toda a forma de constranger o vigilante mediante violência ou grave ameaça, palavras direcionadas, direta ou indiretamente, ao vigilante, comentários abusivos, humilhantes ou constrangedores.

A legislação também prevê punição para gestos, que são atos não verbais que reproduzam quaisquer tipos de embaraços no exercício da profissão de vigilante; intimidação: toda forma de perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadir ou perturbar sua esfera de liberdade ou privacidade, no exercício de sua profissão; e ainda ofensas: toda forma de ofensa à honra objetiva e/ou subjetiva ao vigilante; ameaça: promessa, através de palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar mal injusto e grave ao vigilante.

Talvez você goste também